Este número supera as 19.462 entradas para o país que foram registadas entre quinta e sexta-feira, período considerado de movimento intenso, uma vez terem sido os dias em que mais pessoas atravessaram a fronteira nas vésperas da festa cristã.

A maioria dos utentes que passaram para a África do Sul atravessou entre as 11 horas de segunda-feira e a noite do mesmo dia e outros durante a madrugada de ontem, períodos considerados de pico no movimento fronteiriço.

Outros, pouco mais de seis mil, tinham regressado àquele país, entre as manhãs de domingo e segunda-feira, tal como disse Lazaro Saraiva, Chefe do Posto de Migração na Fronteira de Ressano Garcia.

Saraiva afirmou que aquele posto fronteiriço continuava a registar um ligeiro fluxo no movimento de viajantes de um e para o outro lado. “Exemplo é que mesmo depois da Páscoa registamos a entrada para o país de 3.607 pessoas no período em alusão”, disse.

Mesmo sem apresentar a quantidade exacta, a fonte referiu que houve registo de saída do país de um elevado número de viaturas em direcção à África do Sul, números que também superam as entradas nas vésperas da Páscoa.

Depois da Páscoa: Movimento cresceu em direcção à RAS

Sobre o controlo de trânsito e assistência aos utentes dos serviços de Migração, Lázaro Saraiva afirmou que este ano a situação esteve melhor comparativamente aos anos anteriores graças à perfeita colaboração com as autoridades migratórias sul-africanas.

E foi com intuito de fazer face ao incremento do movimento fronteiriço de negócios e de turismo, associado às férias da Páscoa, que a fronteira de Ressano Garcia, entre o país e África do Sul, está a operar sem interrupção desde o dia 25 de Março até 14 de Abril próximo, numa operação designada “Bem Servir”.

A operação envolve Forças da Policia de Protecção, Alfândegas, Guarda-Fronteira, Serviços de Segurança do Estado e unidades do Ministério do Trabalho. Estes últimos que apoiaram no controlo da entrada e saída de mineiros moçambicanos que trabalham na África do Sul.

Durante o fim-de-semana foi reportada a entrada no país de cerca de 8000 mineiros que se faziam transportar em 46 autocarros, transporte semi-colectivo de passageiros e em viaturas particulares.