A instância, propriedade de Memory Chenghetai, vai contemplar, para além de pensão, um restaurante, bar, um mini shopping, que vai servir para o abastecimento em produtos alimentares da primeira necessidade à população daquela região do corredor Cuchamano-Tete-Zóbwè.

Para aquelas infra-estruturas, o complexo vai contar, igualmente, com uma ampla sala de conferências com uma capacidade de albergar 300 pessoas e a mesma será usada para grandes eventos de carácter nacional, provincial, distrital e mesmo internacional.

“De momento não tenho cálculos financeiros definidos para o meu projecto, pois, a primeira fase já se encontra erguida, que são os 10 bangalois que servirão de quartos casais. Todos estes locais de dormida possuem casas de banho privativa”, disse Memory Chenghetai.

De acordo com a nossa entrevistada, esforços estão em curso junto à empresa Electricidade de Moçambique (EDM) para, num curto espaço de tempo, se efectuar a instalação da energia eléctrica da rede nacional que passa a escassos metros do projecto.

“Já tenho os 10 quartos operacionais e estou aguardando pela chegada de técnicos da EDM para uma avaliação dos valores financeiros a serem desembolsados para uma baixada de energia eléctrica até ao meu recinto” – explicou Chenghetai.

Tete - Changara tem mais uma instância turística

Entretanto, dentro dos próximos sete dias, uma equipa ligada à prospecção e pesquisa de água potável que já esteve no local, vai iniciar a mobilização de equipamentos para que, depois de término da presente época das chuvas, arranquem os trabalhos de abertura de um furo acoplado à uma bomba manual que vai captar e distribuir o precioso líquido pelos compartimentos de serviços no Mázoè Lodge.

Numa primeira fase, o Lodge vai funcionar com recursos externos, como é o caso de água potável que será transportada por uma viatura da fonte até ao complexo turístico, enquanto se aguarda pela conclusão dos trabalhos da empresa Electricidade de Moçambique e da Água Rural.

O projecto, segundo Memory Chenghetai, contempla ainda a instalação de uma estação de serviços para viaturas na vila de Nyamawabue, sede distrital de Changara, cuja cerimónia lançamento da primeira pedra vai ocorrer ainda no decurso deste ano, conforme a calendarização dos empreiteiros.

Nesta primeira fase, o projecto “Mázoè” espera empregar cerca de 12 pessoas, maior parte das quais é constituída por mulheres para a prestação de serviços.

Para a estrutura política e administrativa do povoado de Matuire, a infra-estrutura vai trazer benefícios sociais para as comunidades, uma vez que com abertura de pequeno supermercado, o problema de abastecimento em géneros alimentares da primeira necessidade deixará de existir. “É bem-vindo o projecto, pois já era tempo para a nossa zona possuir uma instância turística de natureza” – disse Mário Joaquim Chimphanda, líder do 1.º escalão de Mázoè.