Os reclusos que se encontram nas celas do Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM) estão insatisfeitos com as medidas tomadas pela corporação. No entanto, a Polícia da República de Moçambique  nega que os reclusos encarcerados nas celas do comando da cidade estejam em greve de fome. Para esta, o barulho que os reclusos levantaram nos últimos dias prende-se com o facto de estarem insatisfeitos com as medidas de segurança tomadas pela corporação.
Esta informação foi avançada na última sexta-feira, em Maputo, pelo porta-voz do comando da cidade de Maputo, Orlando Mudumane. Segundo Mudumane, a PRM tomou algumas medidas no sentido de salvaguardar a inviolabilidade nas celas, o que terá culminado em descontentamento por parte dos reclusos.

“É uma informação que não constitui verdade, visto que os reclusos estão a alimentar-se normalmente. O barulho que terá havido, há dias, se prende com o facto de os mesmos estarem a reclamar algumas medidas de segurança que a PRM tomou no sentido de garantir a inviolabilidade nesta cadeia”, disse.

Questionado sobre o processo de transferências dos reclusos que se encontram encarcerados nas celas do comando da cidade para a cadeia de máxima segurança, vulgo B.O, o porta-voz do comando da cidade de Maputo disse que o mesmo está a ser feito de forma gradual e que, nos últimos dois dias, cerca de seis reclusos foram transferidos.

“A transferência já começou. Como podem saber, é uma transferência gradual, uma vez que, há dias, seis indivíduos foram transferidos para as celas da B.O”, explicou.

Para Orlando Mudumane, a transferência de reclusos para as celas da B.O é um trabalho que a polícia está a fazer no sentido de descongestionar as celas do Comando da Cidade e permitir que os reclusos cumpram as suas penas nas celas adequadas.

PRM reage ao caso de assassinato de uma jovem no Choupal

Falando sobre os assassinatos que têm vindo a ser reportados pela imprensa, na cidade de Maputo, a fonte disse já haver um suspeito em conexão com o caso de violação sexual, que levou até à morte uma jovem de 29 anos de idade, na madrugada do último sábado, no bairro 25 de Junho, na cidade de Maputo.

“Durante a semana passada, o Comando da PRM a nível da cidade de Maputo registou três casos criminais de homicídio qualificado. Para este caso de violação sexual, a PRM está a fazer diligências no sentido de neutralizar os autores daquele crime. Há pistas que a polícia está a seguir e acreditamos que, em breve, tais indivíduos serão neutralizados e apresentados”, frisou.