A Comunidade muçulmana decidiu na noite de ontem, anular a sua decisão de paralisar a actividade industrial e comercial desenvolvida pelos seus membros, que havia sido convocada para hoje e durante três, alegadamente em protesto contra a onda de sequestros no país.

Falando em nome do Movimento Islâmico e da sociedade islâmica, Amade Camal, porta-voz da agremiação, disse que a decisão de suspender a greve surge na sequência do encontro mantido na tarde de ontem com o Presidente da República, Armando Guebuza, uma reunião entretanto não confirmada pela Presidência da República.
Com efeito, os estabelecimentos e as actividades comerciais e industriais explorados pelos membros da comunidade muçulmana vão funcionar dentro da normalidade. 
Entretanto, o Movimento Islâmico mantém a intenção de realizar no próximo sábado, dia 1 de Setembro, uma manifestação pacífica na cidade de Maputo, em repúdio a onda de criminalidade que tem abalado o país.
Disse que além da comunidade muçulmana, a manifestação do próximo sábado irá juntar outras confissões religiosas e organizações da sociedade civil, pois entende-se que a problemática da criminalidade afecta a toda a sociedade moçambicana.
De referir que ao tomar a iniciativa de paralisar as actividades, a comunidade muçulmana via nisso uma maneira de pressionar o Governo a estudar novas formas de combate à criminalidade no país…