A empresa produtora de carne JBS admitiu quarta-feira pagar a `hackers` um resgate de 11 milhões de dólares (nove milhões de euros) após o ciberataque que encerrou todas as suas fábricas de carne bovina nos Estados Unidos.

A JBS, cuja empresa-mãe está no Brasil, disse numa declaração que o pagamento foi efetuado uma vez restaurado o funcionamento das instalações para evitar males maiores.

O pagamento foi feito em criptomoeda e de acordo com o Departamento Federal de Investigação (FBI) os responsáveis pelo ciberataque são um grupo de hacking com sede na Rússia conhecido como REvil.

A JBS é responsável por 20% da produção de carne de bovino e suíno nos Estados Unidos e o encerramento das suas fábricas suscitou receios de que pudesse afetar a distribuição, mas a empresa foi rapidamente capaz de restabelecer o seu funcionamento.

O ataque contra a JBS, que ocorreu na semana passada, aconteceu poucos dias depois de outra organização, DarkSide, ter levado a cabo um ciber-ataque semelhante contra a Colonial Pipeline, a maior rede de oleodutos do país.

No caso da Colonial, cujo ataque causou graves problemas de abastecimento de gasolina nos Estados Unidos, a empresa pagou à DarkSide 4,3 milhões de dólares em bitcoin, a fim de recuperar o controlo dos seus sistemas informáticos.