A SELECÇÃO Nacional de Futebol continua com hipóteses de qualificação ao CAN-2021, cuja fase final terá lugar nos Camarões, em 2022, apesar da nova derrota ontem, por 0-2, no Estádio Nacional do Zimpeto, frente aos “Leões Indomáveis”, em partida inserida na quarta jornada do Grupo “F”.

Para tal,  os “Mambas” terão de vencer, primeiro, os restantes jogos que faltam frente ao Ruanda, em Kigali, e a Cabo Verde, em Maputo, ambos em Março, e ainda depender da combinação dos resultados dos outros encontros, a começar pelo de hoje entre as selecções destes dois últimos países.

Caso Cabo Verde vença mais logo o Ruanda, assalta o segundo lugar, em troca com Moçambique, pois neste momento os “Mambas” somam quatro pontos e os cabo-verdianos três.

 Neste grupo apura-se apenas uma equipa, em vez de duas como acontece noutros, isto porque os Camarões, anfitriões, têm presença assegurada. Assim, Moçambique, Cabo Verde e Ruanda são as selecções que lutam pela qualificação.

A equipa nacional, mesmo com o desaire de ontem, está ainda em boa posição para marcar presença na maior competição africana de futebol, algo que não acontece há 10 anos. A última presença de Moçambique num CAN  foi em Angola, em 2010.

Entretanto, o jogo de ontem ficou marcado pelos dez casos positivos da Covid-19 entre membros da equipa moçambicana, situação que acabou por condicionar o sistema táctico inicialmente esboçado e ainda pelo penalte falhado por Reginaldo, quando o resultado ainda estava em branco.

Aliás, Aboubakar voltou a ser o “carrasco” dos moçambicanos ao apontar o primeiro golo aos 26 minutos. O outro foi de autoria Tabekou, aos 73.

A fase final do CAN terá lugar em 2022, mas leva a designação de CAN 2021, o que fica a dever-se à Covid-19 que assola África e o mundo.