Relatos populares dão conta de que os quatro jovens terão alugado por cinco dias uma residência no bairro Torrone Velho nos arredores da capital da província da Zambézia.

Diariamente chagavam à casa muitas pessoas diferentes, o que levantou suspeitas por parte dos moradores, que alertaram as forças de ordem. Os suspeitos acabaram por ser detidos na quinta-feira (08/10).

Uma testemunha que preferiu permanecer anónima e não falar ao microfone disse à DW África que o grupo suspeito tinha muito dinheiro, que gastava em bebidas alcoólicas e ligações com mulheres.

Ligações com terroristas?

Uma outra testemunha conta: “Um deles veio com o colega, que disser ser o irmão, para trabalhar em Chinde e Micaune. Quando voltei de novo para casa deles perguntei pelo colega e ele disse me que os patrões o chamaram para Lichinga. Pareceu-me estranho: ora é Lichinga, ora é Pebane, agora é Micaune, Chinde e fiquei sem saber realmente onde é que eles iam realizar trabalhar”..

Há receios de que se trate de no caso dos detidos de insurgentes que aterrorizam o norte do país e que poderão agora estar a infiltrar outras cidades moçambicanas, diz Listano Evaristo, delegado do movimento democrático de Moçambique em Quelimane: “O assunto era de Cabo Delgado, começou por ser assunto de um bairro, de um distrito. Mas agora fala-se de todos os distritos de Cabo Delgado, e de algumas áreas de Niassa e de Nampula que estarão a ser abrangidas”.