As autoridades da Nigéria tentaram no domingo (25), pôr fim ao saque de armazéns de alimentos, que continuam a aumentar no país, apesar de ter sido decretado recolher obrigatório, face aos protestos populares que começaram há duas semanas.

De acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP), vários populares saquearam hoje suprimentos alimentares na cidade de Jos, no centro do país.

Os governadores de vários estados aplicaram uma medida de recolher obrigatório da população, no seguimento de saques a reservas de alimentos que deveriam ser distribuídos durante o bloqueio criado para combater a pandemia de covid-19.

Milhares de jovens, inicialmente mobilizados via redes sociais, foram para as ruas das grandes cidades da Nigéria, há duas semanas, para denunciar a violência policial e a ineficácia e corrupção do poder central, através de manifestações pacíficas.

Na terça-feira, porém, a repressão violenta das autoridades contra milhares de manifestantes em Lagos causou pelo menos 12 mortes, segundo a Amnistia Internacional, e indignou o país e a comunidade internacional.

Os dias seguintes foram marcados por saques, incêndios e distúrbios em Lagos, uma cidade com 20 milhões de habitantes.

Segundo a AFP, hoje a situação estava calma em Lagos, onde o recolher obrigatório imposto na terça-feira, para tentar conter a escalada da violência, foi amenizado no sábado.

A Amnistia Internacional adianta, ainda, que pelo menos 56 pessoas foram mortas em todo o país nas últimas duas semanas.

O Presidente Muhammadu Buhari, um ex-general golpista na década de 1980, entretanto eleito democraticamente em 2015 e em 2019, lamentou as “muitas vidas perdidas”, mas não avançou com números oficiais de vítimas até ao momento.

Num discurso transmitido na televisão, na noite de quinta-feira, o Presidente advertiu que não permitiria que ninguém “colocasse em risco a paz e a segurança do Estado” e lamentou ter sido “muito fraco” durante as duas últimas semanas de protesto.