O Afeganistão afirmou no domingo (25), que matou durante uma operação no leste do país, um importante chefe da Al-Qaeda. Ele integrava uma lista dos mais procurados do FBI, que é a agência federal norte-americana .

A notícia da morte de Husam Abd al-Rauf, conhecido pelo nome de guerra Abu Muhsin al-Masri, ocorre após semanas de violência, incluindo um atentado suicida assumido pelo Estado Islâmico em um centro educacional perto de Cabul, com 24 mortos.

O governo afegão diz que continua a lutar contra os militantes do Taleban, mesmo com as negociações de paz, que ocorrem pela primeira vez.

A violência e o assassinato relatado de al-Rauf ameaçam as negociações de paz e arriscam mergulhar o país, assolado por décadas de guerra, em mais instabilidade.

Detalhes sobre a operação que levou à suposta morte de al-Rauf não foram divulgados, mesmo horas depois que o serviço de inteligência do Diretório Nacional de Segurança do Afeganistão publicar no Twitter que o matou na província de Ghazni. A Al-Qaeda não reconheceu imediatamente a morte do terrorista.

O FBI, os militares dos EUA e a OTAN não comentaram o assunto até a última atualização desta reportagem.