O Governo moçambicano confirmou, ontem, 13, a ocorrência de um assalto a Mocímboa da Praia, na sequência de sucessivos ataques, desde a semana passada, pelo grupo de insurgentes associado ao Estado Islâmico.

Em conferência de imprensa conjunta, em Maputo, os ministros da Defesa e do Interior, Jaime Neto e Amade Miquidade, respectivamente, confirmaram, de forma implícita, a ocupação do Porto, de onde, segundo avançaram, os insurgentes estão a atacar qualquer meio naval de socorro das forças governamentais.

Mesmo assim, Jaime Neto, diz que as Forças de Defesa e Segurança estão no terreno e determinadas a não deixar que os terroristas ponham em causa a soberania nacional.

“O Estado tomará medidas para que que este problema não arraste para outras regiões”, disse o governante.

Milhares em fuga

Questionado sobre a possibilidade de declaração do Estado de Sítio em Cabo Delgado, o ministro do Interior, Amade Miquidade, respondeu que isso está fora de questão.

“O Estado ainda continua forte para combater”, disse Miquidade.

Entretanto, na sequência da ocupação do Porto, milhares de pessoas abandonaram a vila em debandada sem nenhum meio de sobrevivência, disseram testemunhas.

“Toda a população está refugiada nas matas. Uma parte em Luvula, outra em Malinde, Nkomangano e Mocímboa-a-velha”, disse um dos residentes à VOA.