As Forças de Defesa e Segurança (FDS), anunciaram na quarta-feira (12), em comunicado, que mataram 59 “terroristas” que tentaram invadir aldeias do distrito de Mocímboa da Praia nos últimos sete dias.

“No decurso das acções de defesa da população contra acções terroristas, as Forças de Defesa e Segurança atingiram vários resultados operativos, sendo de destacar 59 baixas infringidas aos terroristas, destruição de seis acampamentos e meios usados pelos terroristas”, lê-se numa nota distribuída à comunicação social.

Durante o período, segundo o documento, os grupos armados, cujos membros estão “infiltrados na comunidade”, realizaram ataques sequenciados as aldeias de Anga, Buji, Ausse e a vila sede de Mocímboa da Praia.

“Prosseguem ações visando a neutralização dos terroristas, que tem usado a população como escudo nas regiões afetadas”, referiu a nota das FDS, que reiteram “o seu compromisso e engajamento no restabelecimento da ordem” e na defesa da soberania do país.

Mocímboa da Praia é uma das principais vilas da província, situada 70 quilómetros a sul da área de construção do projeto de exploração de gás natural conduzido por várias petrolíferas internacionais e liderado pela Total.

Os ataques de grupos armados na província de Cabo Delgado eclodiram em outubro de 2017 mesmo em Mocímboa da Praia e já provocaram, pelo menos, a morte de 1.059 pessoas.

De acordo com as Nações Unidas, a violência armada naquela província forçou à fuga de 250.000 pessoas de distritos afectados pela insegurança, mais a norte da província