Em entrevista à RTP, Isabel dos Santos admitiu ocupar o cargo que foi do pai durante 38 anos. “Farei tudo o que terei de fazer para defender e prestar os serviços à minha terra, ao meu país.”

Isabel dos Santos admitiu ser candidata à presidência de Angola em entrevista à RTP. A empresária, que diz “estar a ser perseguida pela Justiça”, diz que fará “tudo” o que tiver de fazer “para defender e prestar os serviços à minha terra, ao meu país, Angola”, e isso inclui uma candidatura presidencial ao cargo que o pai, José Eduardo dos Santos, ocupou durante 38 anos.

Durante a entrevista, em Londres, o jornalista perguntou: “Isso inclui ser presidente?”. Ao que a empresária diz: “É possível”. É a primeira vez que a Isabel dos Santos admite liderar politicamente os destinos de Angola. As próximas eleições presidenciais no país são em 2022.

Não podemos utilizar a corrupção, ou a luta contra a corrupção, ou a suposta luta contra a corrupção, de forma seletiva para poder neutralizar o que nós achamos que podem ser futuros candidatos políticos. (…) O que se está a fazer hoje em Angola são processos políticos. São processos seletivos, que têm a ver a ver com a luta de poder com o MPLA”, diz Isabel dos Santos.

A empresária, de 46 anos, deixou duras críticas à liderança à atual liderança do partido no poder em Angola desde 1976: “Hoje, o MPLA tem um problema porque o balanço, o seu balanço económico, o seu balanço social, nos últimos dois/três anos, é um balanço muito fraco. Não apresenta resultados. Estamos a chegar a um sistema em que o país pode estar em bancarrota”, refere.

Observador