A vice-presidente do Senado da Bolívia assumiu oficialmente a chefia de Estado interina do país e declarou que Evo Morales fugiu do país porque não se atreveu a responder à nação.

Na tomada de posse Jeanine Áñez disse ter assumido o cargo de acordo com a constituição e porque não podia haver um vazio de poder numa altura em que assistiam a actos de vandalismo nas ruas.

“A nossa força é Deus” – disse. perante uma multidão em frente ao palácio presidencial em La Paz e garantiu novas eleições num máximo de 90 dias.

Evo Morales chegou ao México, país que lhe concedeu transporte e asilo. Mas antes, o avião em que seguia teve que fazer uma gincana depois do Peru ter negado reabastecimento e o equador ter negado permissão para sobrevoar o seu espaço aéreo. O Paraguai reabasteceu o avião.

Morales insiste ser vítima de um golpe de Estado.

As forças armadas e a polícia estão mobilizadas na ruas para conter protestos de apoiantes de Evo Morales e depois dos bens de membros do partido do agora ex-presidente terem sido vandalizados.

Euronews