Os munícipes da cidade de Quelimane, na Zambézia, estão desprovidos de água fornecida pelo Fundo de Investimento e Património do Abastecimento de Água (FIPAG), desde o último fim-de-semana. Sem apontar datas, a empresa garante que a situação poderá normalizar-se nas próximas horas.

A situação  está a condicionar a vida de muitas famílias. No sábado, por exemplo, muitas famílias foram surpreendidas com as restrições na provisão do precioso líquido. Foi, na verdade, um problema constrangedor, tendo em contas que muitas delas foram obrigadas a recorrer a poços tradicionais.

Hoje, de acordo com Faquira Massalo, director do FIPAG área operacional de Quelimane, as restrições ocorreram devido à queda da linha de energia de média tensão, que alimenta os campos de furos de Licuar, no distrito de Nicoadala.

Segundo o responsável “no sábado surpreendente o distrito de Nicoadala foi assolado por um vendaval acompanhado de chuvas fortes que atingiu não só a vila sede distrital de Nicoadala mas também os arredores”.

Faquira Massalo, referiu igualmente que com a queda de um total de doze postes pelo vendaval, a empresa viu reduzida a capacidade de produção de água na ordem dos 70%.

“De sábado até às 22 horas do domingo, nós estávamos a funcionar a 30% em termos de produção. Este volume não foi suficiente para garantir o abastecimento tanto ao nível de Nicoadala assim como ao nível do distrito de Quelimane. Devo dizer que é um constrangimento alheio a nossa vontade e neste momento tudo estamos a fazer para voltar a normalidade sendo que já estamos a fazer as nossas reservas para garantir a normal distribuição de água”, disse.

O director do FIPAG área de distribuição de Quelimane fez saber ainda que neste momento a demanda de fornecimento de água é bastante elevada, por isso os esforços visam garantir aprovisionamento nos tanques para abastecer em pleno.

O País