Donald Trump tem sido alvo de críticas depois de, na terça-feira (20), ter apontado o dedo aos judeus que votam no Partido Democrático, o que considerou “uma total falta de conhecimentos ou uma imensa falta de lealdade”.

Em declarações na Sala Oval, o Presidente norte-americano referiu-se a duas congressistas democratas que foram barradas ao tentar entrar em Israel por estarem envolvidas num movimento que pretende acabar com o apoio internacional ao país do Médio Oriente, nomeadamente devido às suas políticas para com o povo palestiniano.

“Há cinco anos, ou mesmo há três anos, falar sobre isto – sobre cortar o apoio a Israel por causa de duas pessoas que odeiam Israel e odeiam o povo judaico – eu nem acredito que estamos a ter esta conversa”, argumentou Donald Trump.

“O que aconteceu ao Partido Democrático? O que aconteceu para que esteja a defender estas duas pessoas em vez do Estado de Israel?”, questionou o Presidente.

“Eu penso que qualquer judeu que vote num democrata revela ou uma total falta de conhecimentos ou uma imensa falta de lealdade”, acrescentou.

As afirmações vindas da Casa Branca despoletaram uma série de críticas vindas da comunidade e de políticos judeus, que chegaram mesmo a acusar Trump de antissemitismo.

“Não é claro em relação a quem o Presidente diz que os judeus serão desleais, mas acusações de deslealdade são há muito utilizadas para atacar os judeus”, declarou Jonathan Greenblatt, director da organização judaica norte-americana Liga Antidifamação.

RTP