Cerimónia ocorre dois meses após destruição parcial da catedral medieval e contou com número reduzido de clérigos e fiéis, que tiveram que usar capacetes de segurança.

A catedral de Notre-Dame em Paris foi palco no sábado (15) da sua primeira missa dois meses após um incêndio devastador que destruiu o tecto da construção medieval e danificou parte da estrutura.

A missa teve início às 18h no horário de Paris (13h em Brasília) e durou 50 minutos. A cerimonia foi transmitida por um canal católico francês.

Vestido com um manto branco e capacete, o arcebispo de Paris, Michel Aupetit, liderou o serviço, que por razões de segurança contou com a participação de apenas 30 pessoas – metade delas do clero. Todos tiveram que usar capacetes e se concentrar na Capela da Virgem, no lado leste da catedral, uma área confirmada como segura por engenheiros.

O único momento em que os religiosos puderam retirar seus capacetes ocorreu durante o rito de consagração da hóstia e do vinho.

“O incêndio, que devastou o prédio em 15 de Abril, provocou uma onda de emoção, não apenas para a comunidade de fiéis”, disse o arcebispo Aupetit em seu sermão. “Esta catedral é um lugar de adoração, esse é o seu propósito verdadeiro e único.”

Redes de protecção foram amarradas acima da nave e do coro, e os escombros ainda estão espalhados pelo chão, mas os bancos permaneceram intactos.

O presidente Emmanuel Macron estabeleceu uma meta ambiciosa de cinco anos para restaurar a Notre-Dame, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 15 de Abril. As chamas derrubaram a flecha (torre central) e consumiram a rede de vigas que sustentava o telhado.

A arquidiocese ainda aguarda uma resposta das autoridades francesas sobre a possibilidade de reabrir a esplanada em frente da catedral ao público. Se as autoridades aprovarem o plano, a ideia é celebrar as orações da noite no espaço.

A igreja também lançou um plano de erigir uma estrutura temporária em frente à catedral para receber fiéis enquanto o prédio está sendo reformado.

Cerca de 150 trabalhadores trabalham diariamente na catedral desde o incêndio, removendo destroços e estabilizando a estrutura.

Promessas de cerca de 850 milhões de euros para reconstrução foram feitas por proeminentes empresários franceses, mas apenas cerca de 9%dessa quantia foi efectivamente doada até agora.

A rádio pública France Info disse que apenas 80 milhões de euros foram entregues, com empresários entregando o dinheiro em parcelas e alguns indivíduos renunciando a suas promessas devido ao aparente sucesso da campanha.

DW