Timothy Jones Jr., que matou cinco filhos em Agosto de 2014, foi condenado à morte, na quinta-feira, na Carolina do Sul, Estados Unidos (EUA).

Na véspera, a ex-mulher e mãe das crianças, que tinham entre 1 e oito anos, pediu para que Timothy não fosse condenado à pena de morte porque os meninos “amavam-no”. Contudo, a decisão do júri foi unânime.

Bastava apenas um dos jurados ter discordado da pena de morte e o homicida tinha sido condenado a prisão perpétua, mas isso não aconteceu. Todos defenderam a pena de morte.

Contam os jornais norte-americanos que quando a sentença foi lida, o pai de Timothy pôs as mãos na cabeça, enquanto outros familiares choraram.

O norte-americano é a segunda pessoa a ser condenada à pena de morte na Carolina do Sul nos últimos cinco anos. O Estado não executa nenhum recluso desde 2011 e, neste momento, não tem drogas necessárias para aplicar as injecções letais.

Recorde-se que Timothy obrigou o filho Nathan, de seis anos, a fazer exercício até colapsar, por este ter partido uma tomada eléctrica. Algumas horas depois, decidiu matar as outras quatro crianças.

Notícias ao Minuto