Mais de cinco mil casas estão em risco de desabar por conta da erosão, agravada pelo ciclone Idai, no bairro 3 de Fevereiro, na cidade de Chimoio, província de Manica. 

A situação considerada crítica originou fissuras nas margens da barragem do Damu, naquele bairro. Caso não haja intervenção atempada, várias famílias residentes na área podem estar sujeitas a situações difíceis, caso chova nos próximos dias.

O presidente do Conselho Municipal de Chimoio, João Ferreira, escalou, esta segunda-feira, o bairro 3 de Fevereiro, no âmbito da sua iniciativa “gabinete sem paredes”, através da qual visita bairros para se inteirar dos problemas existentes.

“Se chover, a minha casa vai cair. O senhor presidente fez bem vir neste bairro, porque vemos em si a solução para o tapamento de buracos que podem fazer com que as águas da barragem invadam as nossas casas”, disse uma das residentes, durante o diálogo mantido com o edil de Chimoio.

João Ferreira reconheceu o problema e disse que a solução, passa por retirar as famílias das zonas de risco.

“De facto a situação está mal. Se chover, a barragem pode abrir-se” e haver alagamento como aconteceu aquando do ciclone Idai e “provocar tragédia neste bairro”, disse Ferreira, para quem “as populações devem sair para zonas mais seguras”.

Enquanto o município de Chimoio mobiliza fundos para a retirada das famílias no local em alusão, ontem começaram obras de emergência que consistem no tapamento de buracos como forma de minimizar eventuais danos em caso de ocorrência.

O País