O Governo angolano vai entregar oficialmente à família os restos mortais do líder fundador da UNITA, Jonas Savimbi, no dia 28.

Numa nota distribuída às redacções na terça-feira (14), a Comissão Multissectorial para o Processo de Exumação, Transladação e Inumação dos Restos Mortais de Jonas Savimbi indicou o dia 29 de Maio como data indicativa para a cerimónia de inumação a decorrer na cidade do Luena, capital da província do Moxico.

A Comissão coordenada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, general Pedro Sebastião, fez saber igualmente que na próxima segunda-feira, 20, vai divulgar os resultados do ADN de Savimbi, realizados pelo Laboratório de Genética da Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto, pelo Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses de Portugal e pelo Instituto de Medicina Legal da Argentina.

A UNITA, entretanto, diz estar preocupada com o estado de “acentuada degradação” da via que dá acesso à localidade de Lopitanga, no município do Andulo, na província do Bié, onde serão sepultados os restos mortais de Jonas Savimbi.

O secretário da Presidência para a Comunicação e Marketing da UNITA, Lourenço Bento, disse à VOA que, durante o encontro de ontem, o Governo não se mostrou disponível a colaborar na reparação da estrada.

Bento acrescentou que o líder da UNITA, Isaías Samakuva, esteve na passada semana na região para constatar os trabalhos da construção do túmulo de Jonas Savimbi, onde constatou que a ponte sobre o rio Kuime, assente sobre uma estrutura de madeira antiga e frágil, pode apresentar um risco para a segurança pública, a julgar pelo movimento de veículos que se espera.

Jonas Savimbi morreu em combate a 22 de Fevereiro de 2002, na localidade do Lucusse, província do Moxico, e foi sepultado dias depois no cemitério da cidade do Luena.

No passado dia 31 de Janeiro, e depois de anos de diferendos entre o Governo e a UNITA, os restos mortais do ex-líder da UNITA foram exumados para a recolha de amostras que depois foram encaminhadas para exame de ADN.

VOA