O secretário da Defesa do Sri Lanka, Hemasiri Fernando, renunciou na quinta-feira (25), de acordo com a Reuters. Ele assumiu parcialmente a responsabilidade pelos atentados que atingiram igrejas e hotéis de luxo do país no domingo de Páscoa, deixando mais de 359 mortos e 500 feridos.

O secretário afirmou à Reuters que, embora não houvesse falha de sua parte, ele assumia a responsabilidade pelos fracassos de algumas instituições que estavam sob seu comando.

Logo depois do ataque, veio à tona a informação de que, 14 dias antes dos ataques, os relatórios do serviço de inteligência indicavam que eles ocorreriam. Porém, segundo o governo, o gabinete do premiê não foi informado.

O secretário afirmou que as agências de segurança estavam respondendo activamente às informações que tinham sobre a possibilidade de ataques.

A Reuters já tinha informado, citando fontes, que o presidente Maithripala Sirisena pediu para que ele deixasse o posto depois dos ataques.

Autores filhos de magnata

Oito dos autores das explosões foram identificados por autoridades do Sri Lanka e dois deles eram filhos do magnata que negocia temperos Mohammed Ibrahim. O comerciante está detido pela suspeita de auxílio e cumplicidade com seus filhos Imsath Ahmed e Ilham Ahmed ( que detonou uma bomba em um hotel, o Cinnamon Grand).

Ataques

Oito explosões foram registradas em Colombo e nas regiões de Katana e Batticaloa por volta das 8h45 de domingo (21).

Entre os alvos estavam três igrejas, onde aconteciam as missas da Páscoa. Os hotéis cinco-estrelas Shangri-La, Kingsbury, Cinnamon Grand e um quarto hotel, todos em Colombo, também foram atingidos. Uma explosão ainda foi registrada em um complexo de casas.

G1