François Fillon, do centro-direita francês, chegou a ser tido como o principal candidato a ganhar as eleições presidenciais francesas em 2017. Um escândalo, no entanto, abalou a sua campanha, com Fillon a não conseguir sequer ir à segunda volta, onde Emmanuel Macron acabaria por derrotar a representante da extrema-direita Marine Le Pen.

O escândalo que abalou o seu caso implicou a criação de empregos falsos, altamente bem remunerados. São estas suspeitas que, confirmou a justiça francesa esta terça-feira, o vão levar e à mulher, Penélope, a tribunal, dá conta a Reuters.

Recorde-se que Penélope terá recebido centenas de milhares de euros por muito pouco trabalho feito enquanto assistente parlamentar.

Fillon, actualmente com 65 anos, já tinha no passado contado com dois dos filhos do casal a trabalhar para si como advogados, na altura em que era senador (entre 2005 e 2007).

Na altura, Fillon defendeu-se do caso tratando-o como ‘truques sujos de campanha’. Disse ainda que não tinha feito nada ilegal, mas admitiu um “erro de julgamento” ao contratar a mulher. O caso será agora julgado em tribunal.

Notícias ao Minuto