A Polícia da República de Moçambique em Cabo Delgado deteve em flagrante delito seis funcionários do Supermercado VIP, que transportavam numa camioneta cerca de uma tonelada de diversos produtos alimentares e eletrodomésticos, retirados ilicitamente daquele estabelecimento comercial.

Os produtos estão avaliadas em 763 mil meticais e uma parte deles já estava à venda no mercado informal.

A neutralização dos funcionários, ora detidos pela Polícia da 12ª Esquadra em Pemba, foi possível graças às denúncias populares que, ao se aperceberem de uma movimentação estranha, informaram a Polícia, segundo conta o porta-voz da PRM em Cabo Delgado, Augusto Guta citado pelo Semanário do Agente, a publicação oficial do comando geral da polícia.

“Tomámos conhecimento através das nossas fontes que existia um camião estacionado num lugar, que estava a descarregar produtos alimentares, isso chamou a atenção da população.Fomos até ao local e constatámos que, de facto, o camião estava lá a descarregar os bens. Quando a Polícia chegou, tentaram suborná-la com um valor de sete mil meticais, para que este caso não fosse mais avante”, explicou.

Os indiciados são confessos e pedem desculpas ao patronato segundo avança o semanário.

“Nós levámos os produtos do armazém, como sou motorista, os colegas disseram para eu levar para o sítio”, disse Fernando José, aparentemente, arrependido. Quem, também, diz estar arrependido é Manuel, de 32 anos, casado e pai de um filho, que hipotecou sua liberdade pela ganância a semelhança dos colegas também se encontra nas celas.

“Peço desculpas ao meu boss, e peço que ele me receba de volta para trabalhar. Foi um erro, roubámos muita coisa e não sei o que deu em mim”, confessou.

A distracção por parte de quem supervisiona facilitou o trabalho dos funcionários (malandros), que nos seus sonhos viam o mês de Abril bem passado com o reforço dos produtos roubados.
“Tiramos o chefe lá, acho que se atrapalhou um pouco, e meteram produtos a mais no carro. Sabia que estava a errar, foi uma falha, e peço perdão à minha família, confirmo que roubei e estou arrependido”, disse o Edmundo.

A nossa equipa de reportagem falou com o responsável do supermercado, o qual assim reagiu, “Agradeço o trabalho da Polícia. Eles já tinham vendido outros produtos, estimados em 75 mil meticais, mas graças ao trabalho da Polícia já recebi o dinheiro. São produtos que não foram tirados num só dia, tiravam de forma paulatina, porque já sentíamos falta de material. Tínhamos sempre falta de produtos nos armazéns”.

VOA