Sete pessoas morreram e outras 27 contraíram ferimentos graves e ligeiros, devido a um naufrágio ocorrido na tarde de domingo (17), na cidade da Maxixe, província de Inhambane, na sequência de um curto-circuito no motor da embarcação na qual as vítimas viajavam.

Dos sete óbitos, três são crianças. Dos feridos, 24 são ligeiros e três graves, segundo um comunicado enviado às redacções, pelo governo da província de Inhambane.

A entidade esclareceu que o “acidente marítimo ocorreu na ponte caís da cidade da Maxixe, envolvendo uma embarcação com motor fora de bordo, transportando acima de 70 passageiros”.

Os sobreviventes foram assistidos no Hospital Rural de Chicuque e já tiveram alta, mas aqueles que contraíram lesões graves continuam sob cuidados médicos no mesmo hospital, diz o documento que temos vindo a citar.

As autoridades marítimas avançam que o naufrágio foi provocado por um curto-circuito no motor, ocorrido quando o marinheiro punha o barco a funcionar para iniciar com a viagem à cidade de Inhambane. Ao verem os sinais de fogo no motor da embarcação, os passageiros entraram em pânico e a embarcação virou.

O governo provincial de Inhambane não só endereçou as “mais sentidas condolências” às famílias atingidas pela tragédia, como também reuniu de emergência e constituiu uma comissão de inquérito para apurar as reais causas do naufrágio.

Igualmente, o executivo daquele ponto do país decidiu apoiar as famílias enlutadas, transladando os corpos do Hospital Rural de Chicuque para os distritos de Homoine, Massinga, Morrumbene e cidade de Inhambane, de onde são provenientes.

@Verdade