A Dívida Pública Interna, que em 2017 ultrapassou os 26 por cento do Produto Interno Bruto, continua a aumentar, entre Dezembro de 2018 e Janeiro de 2019 cresceu em mais 509 milhões de meticais de acordo com o Banco de Moçambique (BM).

“Informação de Janeiro mostra que o fluxo da dívida pública interna contraída com recurso a Bilhetes do Tesouro, Obrigações do Tesouro e adiantamentos do Banco de Moçambique aumentou, desde o último CPMO, em 509 milhões de meticais, passando o saldo para 112.525 milhões de meticais” indica o comunicado de imprensa da primeira sessão do Comité de Política Monetária do banco central.

O @Verdade apurou que o aumento foi de Obrigações de Tesouro, no montante de 601 milhões de meticais, que foi contrabalançado pela redução da utilização de Bilhetes do Tesouro na ordem de 92 milhões de meticais, o que colocou o stock da Dívida Pública Interna nos 12,4 por cento do Produto Interno Bruto.

No entanto o BM já deixou claro que estes montantes da Dívida Pública Interna que monitora não tomam em consideração outros valores “tais como contratos mútuos e de locação financeira, assim como responsabilidades em mora”.

Porém o @Verdade descortinou, no Cenário Fiscal do Médio Prazo 2019-2021, que o Ministério da Economia e Finanças, contabilizando os títulos do Tesouro, os adiantamentos do BM e algum do endividamento das Empresas Públicas colocou o stock da Dívida Pública Interna, em 2017, em 26,7 por cento do Produto Interno Bruto.

À falta de informação oficial é plausível projectar que adicionando o endividamento de 2018 o stock poderá estar próximo dos 30 por cento do Produto Interno Bruto. Aliás o Executivo projectou que os encargos só da Dívida Pública Interna em 2018 atingissem os 20,3 biliões de meticais e continuarão a aumentar para 24,9 biliões em 2019 e poderão ascender aos 26,8 biliões de meticais em 2020.

@Verdade