Um juiz australiano absolveu esta quinta-feira o ex-arcebispo de Adelaide Philip Wilson, aceitando o recurso à sentença de um ano de prisão domiciliária, decretada por supostamente encobrir um caso de pedofilia.

Philip Wilson, de 68 anos, tinha sido condenado por um tribunal de Newcastle a pelo menos seis meses de prisão domiciliária, depois de ser considerado culpado de encobrir o abuso sexual repetido de duas crianças, nos anos de 1970, pelo padre James Fletcher, com quem colaborava na diocese de Maitland-Newcastle.

Agora, o juiz Roy Ellis, do tribunal distrital de Newcastle, no estado de Nova Gales do Sul, revogou a sentença decretada pelo tribunal de primeira instância, por considerar que a acusação não podia provar, além de qualquer dúvida razoável, a responsabilidade do prelado.

CM