Dois homens de 18 e 55 anos de idade estão detidos na cadeia distrital de Morrumbala por violarem sexualmente duas menores de oito e nove anos de idade, o homem de 18 anos violou no bairro Samora Machel e o de 55 anos no bairro Naiave.

A situação chocou residentes da vila sede distrital de Morrumbala que no entanto deploraram o comportamento daqueles cidadãos.

O jovem de 18 anos chama-se Gelito Benjamim e de 55 anos Chote Livassen os dois são confessos de terem praticado o crime. Gelito contou que no dia da violação esteve a beber numa barraca localizada na vila sede distrital e explica que só praticou a violação porque estava embriagado. Apercebendo-se a polícia por vias da procuradoria foi recolher o jovem e deteve na cadeia distrital de Morrumbala.

Já Chote Livassen conta que envolveu-se sexualmente com a menor mas que logo que a mesma se apercebeu exigiu valores na ordem de dez mil meticais como forma de dar por encerrado o assunto. Mas que dias depois foi surpreendido pela polícia em sua casa que o conduziu a cadeia distrital.

Os dois indiciados são confessos e incorrem a uma pena de até 24 anos de prisão maior pela violação sexual das menores, caso o tribunal confirme o envolvimento destes nos crimes de que são acusados. De acordo com o procurador chefe distrital de Morrumbala Leonildo Cussaia dado a natureza do crime, estes serão encaminhados a cadeia provincial da Zambézia para os ulteriores trâmites processuais devido a incompetência material do distrito tal como preconiza a lei.

Cussaia deplorou o comportamento dos dois cidadãos e garantiu que a instrução do processo já está na fase conclusiva e pelos elementos apurados, segundo explicou, vão sim pagar pelo crime que cometeram. Explicou igualmente que a acção social está a fazer o encaminhamento das menores por vias de um técnico psiquiatra.

“Felizmente depois de levados ao hospital rural de Morrumbala, as duas menores fizeram testes de HIV/SIDA e os resultados foram negativos, mas ainda assim isso não significa que os senhores serão inocentados até porque está lá o crime e tendo em contas aquilo que é a moldura penal abstrata incorrem a uma pena nunca inferior a 20 anos de cadeia”.

O País