Os parlamentares etíopes nomearam hoje pela primeira vez e por unanimidade uma mulher, Sahle-Work Zewde, como Presidente do país, após a renúncia de Mulatu Teshome.

diplomata de carreira Sahle-Work torna-se assim o quarto chefe de Estado na Etiópia desde a adopção da Constituição de 1995, que prevê a eleição de um presidente para um máximo de dois mandatos de seis anos.

Sahle-Work era até agora representante especial do secretário-geral da ONU, António Guterres, para a União Africana (UA).

Anteriormente, tinha sido embaixadora do Djibuti (Senegal), em França, e Representante Permanente da Etiópia junto à Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento, o bloco regional da África Oriental.

Antes de nomearem Sahle-Work, as duas câmaras do parlamento anunciaram a demissão do Presidente Mulatu Teshome, que ocupava o cargo desde 2013.

Não foi dada nenhuma justificação relativamente à renúncia de Mulatu, mas os observadores acreditam que é resultado das negociações entre os quatro partidos que formam a coligação no poder, a Frente Democrática Revolucionária do Povo Etíope (EPRDF).

O presidente da Etiópia é oficialmente o chefe de Estado, mas as suas responsabilidades são essencialmente simbólicas e honorárias. A maior parte do poder está nas mãos do primeiro-ministro, que representa o país nas grandes cúpulas internacionais.

Em Abril, o EPRFD escolheu Abiy Ahmed como o novo primeiro-ministro e, pela primeira vez, um membro do maior grupo étnico do país, o Oromo.

Desde que foi eleito, Abiy iniciou uma ampla agenda de reformas, incluindo a libertação de dissidentes e a abertura do espaço democrático e de paz com a vizinha Eritreia.

Metade dos cargos do governo de Abiy Ahmed são ocupados por mulheres.

Mulatu, também do grupo étnico Oromo, renunciou um ano antes do final do seu mandato.

Notícias ao Minuto