Ainda não houve entendimento no diferendo que envolve os jogadores e a direcção do Sporting da Beira referente ao pagamento dos sete meses de salário em atraso.

As duas partes encontraram-se no Centro de Mediação e Arbitragem Laboral (CEMAL) de Sofala para chegar-se a um acordo mas os esforços redundaram em fracasso tendo sido marcado um novo encontro. A direcção do clube teria adiantado 30 mil meticais para minimizar a dívida mas viu a sua proposta ser recusada pelos atletas.

Segundo apurámos, no encontro de ontem, os jogadores esperavam por uma resposta cabal da parte da direcção do clube em relação a data para o pagamento da dívida. Acontece, porém, que o executivo liderado por Rachid Ravate (não esteve presente no encontro alegadamente por motivos de doença), queria que os atletas recebessem os 30 mil meticais e depois aguardassem até ao dia que conseguisse outro valor. A proposta foi prontamente recusada por parte dos atletas e marcou-se assim um novo encontro para amanhã.

Nós tínhamos esperança de ver uma parte dos nossos problemas resolvidos. Queríamos ouvir deles as datas precisas e com garantias para o pagamento da dívida mas a pessoa que esteve lá disse que foi mandatado para entregar os 30 mil meticais e mais nada. Eles não nos mostraram algo para termos esperanças de ver a dívida paga”, disse Félix Dube, “capitão” da equipa e porta-voz do grupo.

O valor, feitos os cálculos, para um plantel de 23 atletas, caberia a cada um 1.304 meticais, defraudando assim as expectativas dos jogadores que querem ver a sua situação já resolvida. 

Não aceitámos o valor porque não corresponde àquilo que estão a nos dever. Informámos ao senhor Barata a ir devolver o montante para aumentarem e trazer aquilo que nos devem. Estamos abertos para negociações e eles também devem ceder para que o diálogo entre nós avance, eles devem se comprometer a pagar o valor em dívida”, disse, tendo acrescentado que “nós precisamos o presidente estar lá na mediação para nos explicar melhor. Dizem que está doente mas ouvimos que estava na loja dele. Não queremos violência e nem persegui-lo mais na loja”.

O valor proposto como adiantamento pela direcção do Sporting da Beira não cobre sequer a sexta parte de um salário, embora não tenhamos apurado o total em dívida. Sabe-se que o salário mensal dos atletas do clube varia de nove mil  a 13 mil meticais.
Já Hélder Isac Tete, do CEMAL, disse a primeira naquele órgão de mediação, não se chegou ao entendimento sobretudo nos moldes de pagamento da dívida.

Tivemos o encontro hoje e o processo está em curso ainda. Não podemos adiantar muitas coisas, uma vez que, ficou-se acordado para nova sentada na quinta-feira. Portanto, temos que aguardar até esta data para que encontremos uma solução neste diferendo”, disse.

Entretanto, um dos representantes da direcção no encontro de ontem, Barata, disse que ainda não se chegou ao entendimento porque o processo só está a iniciar.

Estamos a negociar. Não podemos avançar mais dados porque a direcção está a trabalhar no sentido de resolver este problema. Esta semana terão mais desenvolvimento deste assunto e iremos chamar a imprensa”, anotou.

Referir que este processo “aqueceu” desde a semana passada depois dos atletas terem invadido a loja do presidente e este ter solicitado a Polícia para os tirar daquele estabelecimento comercial. Depois, os atletas decidiram avançar o caso para o CEMAL.

Diário de Moçambique

Advertisements

COMENTE PELO FACEBOOK