Um funcionário da Saúde, em Tete, está a contas com a Polícia, acusado de fazer parte de uma quadrilha que se dedicava ao desvio de medicamentos do Sistema Nacional de Saúde.

Além deste técnico, quatro outros, estão com processos disciplinares em curso, devido a este problema.

Segundo o administrador distrital de Angónia, Paulo Sebastião, a descoberta da rede dos supostos ladrões de medicamentos, foi o resultado de dezasseis visitas às unidades sanitárias, das quais dez, não-programadas.

O Chefe executivo de Angónia sublinhou que houve necessidade de se efectuar aquele tipo de trabalho, devido aos alarmantes e acentuados níveis de reclamação dos utentes dos centros de saúde.

Paulo Sebastião, referiu que o funcionário que está detido era considerado o cabecilha da rede dos alegados ladrões de medicamentos.

É cabecilha porque para além de o termos encontrado com medicamentos numa quantidade maior, também, com este estava sobre a sua posse, material eléctrico; estamos a falar de cabos eléctricos e contadores, na sua residência. Então, ele facilitou-nos o trabalho porque foi divulgando alguns profissionais da Saúde que tem estado a ajudar a ele nesse processo. Agora falta-nos dar dados sobre como adquiriu este material eléctrico”, disse o Administrador de Angónia.

Sabe-se que os medicamentos desviados eram vendidos no maior mercado informal do município da vila Ulóngwè, onde também foram feitas buscas e recolha de medicamentos

RM