Sam Kutesa, ministro das Relações Exteriores do Uganda foi eleito presidente da Assembleia Geral da ONU.

Kutesa foi eleito por aclamação, ao contar com o sinal verde dos países africanos, a quem correspondia, este ano, a proposição de um candidato. Kutesa, que terá mandato de um ano tomará posse em Setembro, na abertura da 69ª Assembleia Geral, no período de sessões.

A sua candidatura, no entanto, suscitou críticas severas de ONG’s, cidadãos e alguns políticos que consideram que o ministro ugandês não deveria representar a ONU por causa da legislação contra homossexuais aprovada este ano naquele país.

“Há sérias dúvidas sobre o compromisso de Sam Kutesa com os valores da Declaração Universal dos Direitos Humanos”, disse Maria Burnett, pesquisadora sénior da divisão da Human Rights Watch para a África.