Pelo menos cinco mil hectares de culturas diversas ficaram alagados na baixa do distrito da Manhiça, província de Maputo, na sequência da subida dos níveis do caudal do rio Incomáti.

A directora Provincial dos Combatentes e porta-voz do Governo da província de Maputo, Constância Guiamba, disse nesta terça-feira à Reportagem do Canalmoz que até ao último domingo, os caudais dos rios Maputo, Umbeluzi e Incomáti registaram subida de níveis.

De acordo com a senhora Guiamba, no caso do rio Maputo, cujo nível de alerta é de 3.5 metros, este registou há três dias uma subida para 3.70 metros, estando neste momento (segunda-feira) com tendência de baixar para 3.27 metros. Para o rio Incomáti, cujo nível de alerta é 5 metros, neste momento a situação é de 3 metros para a região de Ressano Garcia e 4.18 para a região de Magude, esta última onde a três dias registava problemas de acessibilidade.

“Mesmo assim, há uma transitabilidade deficiente na zona de Magude”, alertou Constância Guiamba, acrescentando que apesar da tendência de baixa dos caudais, “qualquer chuva a montante noutros países poderemos ficar afectados”.

A nossa fonte referiu-se também ao rio Umbeluzi, garantindo que está controlado. Por outro lado, disse que neste momento, a barragem de Corumana está a receber descargas do rio Incomáti que regularmente quando há regista desnível descarrega naquela barragem onde também o rio Sabié descarrega.

O Governo da província de Maputo começou a lançar na semana passada alertas para as populações que vivem nas regiões baixas no sentido de se retirarem para as zonas seguras, devido à ameaça de subida dos caudais dos principais rios da província.

Na verdade, os rios Maputo, Incomáti e Umbeluzi, na província de Maputo, continuavam a subir de caudal nos últimos três dias.

Os distritos de Matutuíne, Magude e Manhiça são os mais foram mais afectados pela subida dos caudais dos rios Maputo e Incomáti.

As autoridades governamentais da província de Maputo continuam a alertar as populações para se precaverem dando a conhecer que prevê-se até Março próximo, a queda normal das chuvas para tendências acima de normal, que poderão afectar pessoas, culturas e animais. Outro alerta é de que “qualquer chuva a montante nos países vizinhos, a província de Maputo, poderá ser afectada pelas descargas”.

As previsões do Instituto Nacional de Meteorologia e do Instituto Nacional de Gestão das Calamidades apontam para a ocorrência de chuvas normais com tendências de acima do normal que poderão provocar cheias e alagamentos no período que vai até Março de 2014.