Destaque Dívida pública deve cair abaixo dos 100%

Dívida pública deve cair abaixo dos 100%

A consultora Fitch Solutions considera que a dívida pública deverá descer para menos de 100% em 2023, devido à aceleração da economia, maiores receitas do gás e valorização do metical no próximo ano.

“Acreditamos que a dívida pública vá abrandar de 101% do PIB em 2022 para 92,3% em 2023”, escrevem os analistas desta consultora detida pelos mesmos donos da agência de notação financeira Fitch Ratings.

Numa nota sobre a economia moçambicana, enviada aos investidores e a que a Lusa teve acesso, os analistas escrevem que “o peso da dívida de Moçambique vai cair gradualmente nos próximos trimestres, devido à melhoria do crescimento económico e ao aumento da receita, particularmente do sector do Gás, o que limita as necessidades de financiamento”.

A dívida pública de Moçambique medida em função do PIB tem estado sempre acima dos 100% desde 2016, ano em que foi conhecido o escândalo das dívidas ocultas, tendo apenas descido dos 100% em 2019, quando ficou nos 99%, de acordo com os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Para além da aceleração da economia, acrescentam no texto, “a apreciação de 3,1% do metical prevista para 2023, para 61,94 meticais por dólar, também sustenta o declínio do rácio da dívida face ao PIB”.

A Fitch Solutions antevê que o défice orçamental vá melhorar de 3,9% este ano para 2,5% no próximo ano, essencialmente graças às receitas de exportação do gás.

No início deste mês, a italiana Eni exportou o primeiro lote de gás natural liquefeito produzido na plataforma flutuante Coral Sul, ao largo da costa Norte de Moçambique, para a Europa, o que deverá ter dado o pontapé de saída para um novo capítulo na história económica de Moçambique, devido ao significativo aumento das receitas fiscais, que deverão subir 11,3%, à custa de um fortíssimo aumento no valor das exportações, que em 2023 deverá subir 243%, para 1,8 mil milhões de dólares, segundo a Fitch.

A previsão para o crescimento da economia de Mo-çambique é de 5,3% este ano e 6,5% no próximo ano.

Moçambique tem três projectos de desenvolvimento aprovados para exploração das reservas de gás natural da bacia do Rovuma, classificadas entre as maiores do mundo, ao largo da costa de Cabo Delgado.