Destaque Livro da 6ª classe chega às mãos dos alunos com erros

Livro da 6ª classe chega às mãos dos alunos com erros

O livro do aluno de Ciências Sociais da 6ª Classe, de distribuição gratuita, apresenta erros que iniciam na página 48, em que se discute os “reinos e impérios antigos”. O livro, elaborado por Firoza Bicá, avança que o Grande Zimbabwe, que existiu entre 1250 e 1450, tinha como limites, a norte, o Mar Vermelho e o Golfo de Aden.

Já na página 59, o livro defende que Moçambique já faz parte da África Oriental, tal como a Zâmbia, Zimbabwe e Malawi, pelo que, na página 78, a região da África Austral aparece apenas com cinco países, nomeadamente, África do Sul, Botswana, Eswatini, Lesotho e Namíbia.

MINEDH pede desculpas

Em conferência de imprensa, na tarde deste domingo, o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano pede desculpas aos alunos, pais e encarregados de Educação pelo erro detectado em conteúdo do livro da disciplina de Ciências Sociais da sexta classe.

A porta-voz do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, Gina Guibunda, reconheceu o possível constrangimento causado pelo lapso.

“Sabemos que o facto de o livro estar na posse dos alunos, dos professores e ou encarregados de Educação também, pode ter criado algum constrangimento e por este motivo o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano pede desculpas aos pais e ou encarregados de Educação, aos alunos principalmente por este embaraço causado nesta página do livro”, disse.

Gina Guibunda avança que o sector da Educação vai distribuir, a partir desta segunda-feira, pelas escolas uma errata com vista a correcção da falha contida no livro de Ciências Sociais da sexta classe.

De acordo com aquela responsável, a produção da errata não irá acarretar custos adicionais ao Ministério porque é possível produzi-la em apenas uma página. Também será enviada por meios electrónicos aos gestores escolares, que terão a responsabilidade de imprimi-la e distribui-la aos professores e alunos.

Já a Comissão de Inquérito será liderada pela Inspecção-Geral da Administração Pública, contando com a participação da Inspecção do MINEDH. Porém, Guibunda disse ainda ser prematuro avançar quanto tempo os trabalhos irão levar devido à complexidade do assunto.

No entanto, a porta-voz do MINEDH minimiza o problema, alegando que o conteúdo ainda não foi leccionado. “Quero tranquilizar os pais que este conteúdo ainda não foi leccionado. Quando chegar o momento de ser leccionado, a errata certamente estará na posse dos professores, a partir da qual vão poder conduzir o processo de ensino e aprendizagem”, defendeu.