Início Destaque Biden foi acusado de traição apor por negócio com Presidente venezuelano

Biden foi acusado de traição apor por negócio com Presidente venezuelano

Congressistas republicanos eleitos pela Florida acusaram o chefe de Estado norte-americano, Joe Biden, de “trair” a luta pela liberdade na Venezuela e de colocar em risco a segurança dos Estados Unidos ao negociar com o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.
Para María Elvira Salazar, Mario Díaz-Balart e Carlos Giménez, republicados da Florida, as recentes conversações de representantes da Casa Branca em Caracas representam um golpe “para a segurança nacional” dos Estados Unidos e são uma “traição” para o povo venezuelano.

Segundo a Casa Branca, as negociações tiveram como objetivo discutir questões como “segurança energética” após a subida do preço do petróleo e do gás desde o início da invasão russa da Ucrânia.

A polémica levantada pelos republicanos teve eco mesmo dentro do Partido Democrata e levou a administração de Joe Biden a esclarecer que “por agora” não mantém contactos nem lança qualquer plano para a importação de petróleo desde a Venezuela.

Os três congressistas da Florida, Estado do sul dos Estados Unidos onde vive a maior comunidade de venezuelanos, acrescentaram que o petróleo não passa de “uma desculpa” para que o governo democrata se aproxime de Maduro que, paradoxalmente, os norte-americanos não reconhecem como presidente legal daquele país.

Mario Díaz-Balart foi mais longe e referiu que Biden está “determinado” em ajudar “todos os ditadores antiamericanos” do mundo. Também a autarca do condado de Miami-Dade, a democrata Daniella Levine Cava, concordou com as críticas e salientou que “em nenhuma circunstância” os EUA devem negociar ou comprar petróleo venezuelano.

Os três congressistas republicanos revelaram ainda que estão a trabalhar para apresentar um projeto de lei bipartidário para impedir estas negociações. E apelaram a Biden para que promova a extração de gás e petróleo no país para alcançar a independência energética e não ter que depender de países como Venezuela ou Rússia.

O encontro EUA-Venezuela, em Caracas, resultou na libertação de dois norte-americanos detidos naquele país. Mas Mario Díaz-Balart referiu que este “guião” em que governos estrangeiros usam “reféns” para pressionar os EUA já foi utilizado por outras administrações, como Cuba.

FONTENotícias ao Minuto
Artigo anteriorBeatriz Buchili exigiu novos mecanismos para a seleção de membros da polícia
Próximo artigoRússia realiza bombardeamentos durante a madrugada para intensificar ataques à capital da Ucrânia