Início Sociedade Educação Mais de 600 mil raparigas serão beneficiadas pelo projecto “Eu sou capaz”

Mais de 600 mil raparigas serão beneficiadas pelo projecto “Eu sou capaz”

Isaura Nyusi, Primeira-dama da República, lançou ontem (09), no posto administrativo de Amatongas, distrito de Gondola em Manica, o Programa “Eu sou Capaz”, na Escola Primária Completa da Socel.

O programa tem como objectivo proporcionar melhores oportunidades de educação e empoderamento de adolescentes e mulheres jovens, através de acções que estimulem a retenção da rapariga na escola, desencorajar as uniões prematuras forçadas e gravidez precoce na adolescência.

No âmbito do programa “Eu sou capaz”, prevê-se que até 2024 seja distribuído em todo o país, gratuitamente, 600 mil uniformes beneficiando raparigas matriculadas nas 5ª, 6ª e 7ª classes e bicicletas às raparigas que transitarem para a 8ª classe, para além da formação em habilidades para a vida.

O lançamento do programa contou com a entrega de uniformes escolares a raparigas da Escola Primária Completa de Socel.

Na ocasião, a primeira-dama afirmou que essa iniciativa irá, certamente, contribuir para o aumento da população escolarizada e por conseguinte, para o crescimento económico.

Nas comunidades serão realizadas acções de mobilização comunitária, envolvendo cerca de 28 mil líderes comunitários e figuras influentes na comunidade, bem como a implementação de uma abordagem de espaços seguros. Até 2024 esperamos alcançar cerca de 208 mil raparigas fora da escola e pacotes de habilidade para a vida”, disse Isaura Nyusi.

Na promoção da educação da rapariga, a primeira-dama disse que “cada um de nós tem um papel a desempenhar para que a igualdade de género, no nosso país, seja uma realidade. O trabalho da sua promoção deve iniciar na família e na comunidade, pois, a equidade do género não deve exclusivamente ser uma preocupação do Governo ou da escola”.

É um programa, que conta com o apoio do Banco Mundial, desenhado e implementado pelo Governo através do Secretariado do Estado da Juventude e Emprego, que conta com o apoio e intervenção do Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano.

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, na ocasião, chamou atenção aos pais e encarregados de educação, sobre a importância no investimento da rapariga como forma de proteger os seus direitos e promover o empoderamento.

FONTEO País
Artigo anteriorVítimas do terrorismo em Cabo Delgado vão receber apoio de 600 milhões de meticais da UE
Próximo artigoCovid-19 mata uma pessoa e infecta 40 em Moçambique