O ministro dos Recursos Minerais e Energia defendeu na segunda-feira (15) a “formalização” da mineração artesanal visando promover a contribuição do sector no desenvolvimento social e económico do país.

Max Tonela advogou a integração dos operadores artesanais do sector mineiro no circuito formal da economia, quando falava durante uma reunião preparatória do censo de mineração artesanal, que o Ministério dos Recursos Minerais e Energia vai realizar este ano.

“A formalização da mineração artesanal vai permitir-nos uma melhor exploração e melhor contributo dos recursos minerais no desenvolvimento social e económico das comunidades e do país”, afirmou Tonela.

Aquele sector, prosseguiu, é caracterizado por uma notável presença do contrabando, principalmente de gemas, o que priva as comunidades e o país dos proveitos que deviam ser proporcionados pela exploração legal dos recursos minerais.

“Os recursos minerais devem constituir um activo para o desenvolvimento social e económico do país”, insistiu.

A formalização do sector artesanal também será uma via para uma exploração transparente e ambientalmente sustentável, sustentou.

O censo projectado para este ano, que será o primeiro no país, vai permitir o levantamento de dados quantitativos no sector e criar condições para a definição de estratégias visando a formalização dos operadores.