O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC) precisa de cerca de quinze milhões de dólares para suprir o défice financeiro do programa de assistência humanitária aos deslocados do terrorismo em Cabo Delgado e dos ataques armados, no centro do país.

O programa de assistência humanitária às vítimas, está orçado em mais de trinta e cinco milhões de dólares e os parceiros de cooperação já desembolsaram pouco mais de vinte milhões de dólares.

A assistência humanitária que vai decorrer até Dezembro deste ano, contempla meios de abrigo, bens alimentares e não-alimentares.

A directora-geral do INGC, Luísa Meque, fez saber esta segunda-feira 14, em Maputo, que em todo o país foram abertos treze centros de acomodação para albergar as vítimas dos ataques.

“Podemos dizer que contamos com cerca de setenta e três mil famílias que se encontram em diferentes centros de acomodação. Temos estado a criar condições em termos de meios, sistemas de abrigo, bens alimentares e não-alimentares e tem-se feitio a disponibilização de artigos para estas famílias acomodadas”, disse.

Os ataques armados no centro do país e o terrorismo em Cabo delgado já deixaram trezentas e sessenta e oito mil pessoas deslocadas.