O Tribunal Judicial Distrital de Macanga, província de Tete, acaba de condenar um líder religioso a uma pena de 45 dias, convertidos em multa, por violação do decreto presidencial que declara o Estado de emergência no país.

No julgamento havido sexta-feira 29, aquela instância judicial provou que o líder religioso convidou e facilitou a entrada de crentes do Malawi para participarem em cultos no distrito de Macanga.

O administrador de Macanga, Assane Ussene, que revelou o facto a jornalistas, explicou que a entrada dos malawianos para a celebração de missas aconteceu na localidade Namadende, que faz limite com Malawi.

Segundo o administrador, os líderes comunitários denunciaram o réu sobre o incumprimento do decreto presidencial e estranha a atitude daquele líder religioso, porquanto as autoridades têm vindo a disseminar mensagens sobre as medidas de prevenção do novo coronavírus em todas as localidades, incluindo na linha de fronteira.

“Com esta condenação, fica o alerta para os outros cidadãos que não cumprirem as medidas de prevenção da Covid-19 no distrito de Macanga”, advertiu Ussene, para quem este é o primeiro caso em que um líder religioso é condenado por desacato às medidas de prevenção do novo coronavírus naquele distrito do norte de Tete.