Mariano Nhongo, o líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo e dissidente do maior partido da oposição, ameaçou intensificar acções armadas nas principais estradas das províncias de Sofala e Manica, no centro do país.

Mariano Nhongo, o líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo, disse saber que os deputados vão tomar posse esta semana e avisou-os que saibam onde andar porque ameaça não poupar mais ninguém.

O líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo criticou a tomada de posse, dos deputados da Renamo – que não reconhece -enquanto “os guerrilheiros estão no mato a sofrer, sem sapato nem comida”.

A Renamo tem-se afastado de qualquer ligação com Mariano Nhongo, classificando-o de desertor. Desde Agosto, 21 pessoas morreram em ataques armados de grupos nas províncias de Manica e Sofala. As autoridades têm atribuído os ataques a guerrilheiros do braço armado da Renamo que permanecem na região.

Em Dezembro, o ministro do Interior de Moçambique, Basílio Monteiro, anunciou o reforço de medidas de segurança em Manica e Sofala, que incluem o reforço do policiamento e escoltas em alguns troços.

O grupo dirigido por Mariano Nhongo, antigo general de Afonso Dhlakama, permanece entrincheirado nas matas da região centro de Moçambique.

Lusa