O líder da autoproclamada Junta militar da Renamo, Mariano Nhongo, ameaça retaliar o rapto de familiares do fundador da Renamo, caso não sejam colocados em Liberdade, nos próximos dias.

“Vai fazer morrer governador essa mulher (família). O administrador e o governador (de Manica) vão pagar caso sejam mortos” disse Nhongo, que denunciou o aumento de casos de raptos de pessoas ligadas ao seu movimento.

A esposa e três filhos de André Matsangaissa Júnior, sobrinho do primeiro presidente da Renamo, foram raptados na quarta-feira (18), na sua residência, no bairro Nhamaonha, nos arredores de Chimoio, a capital da província de Manica.

“A minha esposa e meus três filhos foram realmente raptados e os raptores estão a pedir um resgate” disse à VOA por telefone André Matsangaissa Júnior, que se encontra num esconderijo na Gorongosa.

“O preço de resgate é eu me entregar numa esquadra da Polícia” disse.

Polícia não registou nenhum rapto

A VOA contactou o porta-voz da Polícia de Manica, Mateus Mindu, que disse não haver registo de nenhum caso de rapto nas subunidades policiais de Chimoio.

André Matsangaissa Júnior, juntou-se ao grupo de Nhongo, em Julho, nas vésperas da sua reunião extraordinária, na Gorongosa.

A Renamo foi fundada em 1976 e teve como primeiro líder André Matsangaissa. Após a morte deste, o movimento, mais tarde transformado em partido, foi dirigido por Afonso Dhlakama. Ossufo Momade é o novo líder.

VOA