Os ataques aéreos da Rússia mataram pelo menos três crianças na província de Idlib, no Norte da Síria. Um dos alvos dos bombardeamentos de Moscovo foi um hospital de mulheres e crianças.

Nos últimos dias os ataques têm atingido mercados e zonas residenciais, matando e ferindo dezenas de civis. As vítimas do último bombardeamento foram assistidas pelos capacetes brancos, mas neste momento não há hospitais onde tratar os feridos.

Na região – último reduto da resistência ao regime sírio – vivem três milhões de pessoas, muitas deslocadas de outras zonas do país em guerra há oito anos.

msn