Em vésperas de eleições gerais em Moçambique, o líder da Renamo, Ossufo Momade apela à união do partido chamando a Mariano Nhongo, líder da Junta Militar, para junto de si e tornar o partido mais unido.

Na conferência de imprensa, na tarde desta terça-feira (03) na cidade de Quelimane, província central da Zambézia, Ossufo Momade, líder do maior partido da oposição em Moçambique, convidou Mariano Nhongo a juntar-se a ele e fintou as perguntas em relação às medidas que tem para unir o partido.

“Meu irmão, essa sua pergunta eu não gostaria de comentar neste momento porque estamos na campanha, a campanha é uma festa, o Nhongo é um cidadão moçambicano, é da Renamo. O que nós pedimos a Nhongo é que regresse à razão”, disse Momade.

Crise interna

No entender de Lourindo Verde, analista político, Ossufo Momade deveria entrar em conversações com Mariano Nhongo, ao invés de se dedicar a campanha política quando há uma ameaça no seio da própria Renamo.

“Hoje é difícil saber de facto o que é que a tal Junta Militar esta a reivindicar, um líder é aquele que deve conversar. Tem que ouvir perceber o que é que está a acontecer e se for um assunto que tem uma solução, então, dar uma solução. Ele tem que se aproximar ao invés de estar a andar aí de um lado para o outro a saber que o nome dele não é bem vindo pela ala militar que até lhe suporta, ele tinha que antes de mais nada resolver primeiro o conflito que existe internamente para levar a Renamo a ser de facto um partido da oposição pelo qual nós estamos habituado”, explicou Lourindo Verde.

Há possibilidades de a Renamo entrar em crise política caso Ossufo não tome medidas cautelares, entende o analista.

“Se não tomar essas providências é possível que se caia em tensão política, um problema que envolve ele pode se tornar num problema que envolve o partido”, sublinhou Verde.

Combate à corrupção, prioridade da Renamo

O líder da Renamo diz que veio à província da Zambézia, no quadro da campanha eleitoral que se iniciou no sábado passado. No seu manifesto diz que acabar com a corrupção está no topo das suas prioridades, caso seja eleito para o cargo de Presidente da República.

A campanha eleitoral com vista às eleições gerais de 15 Outubro prossegue no seu quarto dia. Para além do candidato da Renamo, Ossufo Momade, está também na Zambézia o candidato às presidenciais do MDM, segundo maior partido da oposição, Daviz Simango.

A Frelimo, partido no poder, dividiu-se, esta terça feira, em vários grupos nos bairros de Quelimane para a campanha porta a porta.

DW