O candidato presidencial da Renamo escalou o distrito da Manhiça, província de Maputo, para pedir votos. Ossufo promete melhores salários, emprego para os jovens e combate a corrupção.

Ao décimo dia da “caça” ao voto, o Presidente da Renamo, Ossufo Momade escolheu Manhiça, um distrito com 214,751 habitantes de acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas, para namorar o eleitorado.

Chegou aguardado por centenas de pessoas ao longo da Estrada Nacional Número Um. Fez uma passeata por aquela via e pelas ruas da vila municipal distribuindo panfletos e deixando a seguinte mensagem: “vote em Ossufo Momade, vote na mudança”.

O ponto de paragem foi o mercado Wa Nkakana, onde Momade interagiu com os munícipes da Manhiça, prometendo melhores salários aos funcionários públicos e combate cerrado a corrupção caso vença as eleições de 15 de Outubro. “Nunca, nunca devem confiar naqueles que eu não quero dizer o nome aqui. Aqueles são ladrões e corruptos, só querem encher os seus bolsos.

Podem ouvir eles a chorarem a vossa frente, serão lágrimas de crocodilos”, disse Momade, prometendo medidas sérias e muito rigor no combate a práticas corruptas, não só no distrito da Manhiça como em todo o país. “Eles não tem sentimento”, acrescentou, exemplificando “O Chang está aonde? É um peixe miúdo mas há tubarões que estão sentados lá nos palácios. Queremos que aqueles também entrem nas cadeias. Para que sejam julgados por terem provocado uma divida que não aplicaram aqui em Moçambique. Por isso nós dizemos que ninguém deve pagar essa dívida. Eles merecem castigo”, considerou.

Quanto as condições de trabalho e pagamento no aparelho do Estado disse: “O funcionário do aparelho do Estado deve ter bom salário e não aquilo que estamos a receber agora. Um salário que não chega para nada e por isso em casa os filhos não tem comida. Os polícias devem receber, os enfermeiros e médicos não podem mais sofrer. Na educação os professores não conseguem concentrar-se em melhorar a qualidade de ensino porque recebem mal”.

Do mercado Wa Nkakana, a caravana seguiu pelas ruas da vila, entretanto pelo percurso surgiu uma confusão. Membros da Frelimo, trajados de roupas do partido terão provocados os integrantes da comitiva da Renamo tendo começado uma sessão de pancadaria. Resultado: uma motorizada da Frelimo ficou com o farol e os espelhos retrovisores partidos, uma viatura de uma militante foi batida por paus e dois militantes dos dois partidos envolveram-se em luta física.

O presidente do partido e sua caravana só voltaram a parar no mercado aeródromo onde Ossufo Momade voltou a falar dos seus propósitos, caso vença as eleições gerais de 15 de Outubro próximo. “Hoje para comprar tomate temos que ir para a África do Sul, enquanto aqui em Moçambique temos terras, rios, água, mas esse governo não tem boas políticas. Por isso temos que mudar e mudar para melhor”, afirmou.

Momade usava sempre da ocasião para apresentar António Muchanga, como candidato da Renamo a governador da província de Maputo. Hoje, o candidato presidencial da Renamo trabalha no distrito de Marracuene, com o mesmo objectivo de pedir votos ao eleitorado de Maputo província.

O País