Na província de Manica, o governo poderá ordenar o encerramento de dois institutos de formação técnico profissional, alegadamente por estarem a funcionar ilegalmente há mais de três anos.

É que ao nível daquela província, funcionam catorze institutos vocacionados ao ensino técnico-profissional, leccionando os níveis básico, médio e superior e sem avançar nomes, o director provincial de Ciência, Tecnologia, Ensino Técnico e Profissional, avançou que dois estão a funcionar ilegalmente, pelo facto de terem sido apenas autorizadas a sua criação, e não a sua entrada em funcionamento.

“Temos estado a tomar atenção a estas instituições que se encontram a funcionar ilegalmente para que paralisem imediatamente as suas actividades até que os seus processos estejam regularizados, uma vez que o pedido de criação não significa autorização para funcionar, que é o que está acontecer”, disse Norberto Mucave, salientando que “estão a funcionar com um grande número de estudantes”.

Enquanto não se encerram, qual é a consequência imediata a que incorrem os referidos institutos que funcionam ilegalmente? Foi a pergunta que colocamos ao Director Provincial de Ciência, Tecnologia, Ensino Superior e Técnico-Profissional, o qual respondeu que os estudantes não terão certificado, e consequentemente não serão reconhecidos como graduados.

Entretanto, “O País” sabe que uma das instituições visadas é o Instituto Técnico de Moçambique, que funciona numa residência arrendada algures no bairro Vila nova em Chimoio.

O País