O país assegurou a materialização do projecto da linha de transporte de energia eléctrica entre Temane, norte de Inhambane, e Maputo, com a assinatura de quatro acordos de financiamento entre o Governo e parceiros de cooperação.

Trata-se de uma linha em alta tensão com 563 quilómetros de extensão e três subestações em Vilankulo, Chibuto e Matalane, cuja construção vai custar 551.2 milhões de dólares, desembolsados pelo bancos Mundial (BIRD), Islâmico de Desenvolvimento (BID), Africano de Desenvolvimento (BAD) e de Desenvolvimento da África do Sul (DBSA). Participam ainda no financiamento do projecto o Fundo da Opec e o Governo da Noruega.

Dados divulgados no acto testemunhado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, indicam que o empreendimento é da Electricidade de Moçambique (EDM) e constitui a primeira fase da linha Tete-Maputo, considerada espinha dorsal da rede nacional de transporte de energia eléctrica.

As obras arrancam em Junho próximo, com a duração de 34 meses, devendo a linha estar operacional em finais de 2023, altura em que se espera activar a Central Termoeléctrica de Temane de 400 megawatts.

Os acordos foram assinados, do lado do Governo, por Ester dos Santos José, Directora Nacional Adjunta do Tesouro, e por Mark Lundell (do BIRD), Pietro Toigo (BAD), Mustafa Corr (BID) e Mahmoud Khene (Fundo da Opec).

Folha de Maputo