Trinta e nove formações políticas inscreveram-se para concorrer nas eleições gerais de 15 de Outubro no país, indicam dados preliminares que tivemos acesso.

De acordo com dados apurados hoje, último dia do processo, junto da Comissão Nacional de Eleições (CNE), são 36 partidos políticos e três coligações que formalizaram a sua intenção de participar o escrutínio.

Segundo Rodrigues Timba, vogal da CNE, até ao final do dia havia indicação de que mais um movimento cívico teria formalizado a sua inscrição, numa das províncias do país, que não revelou o nome, o que pode aumentar o número de inscritos.

Comparativamente as eleições gerais de 2014, as próximas registam um aumento de número de concorrentes. No escrutínio que deu o primeiro mandato ao actual governo, estavam inscritos 35 concorrentes, menos quatro que as eleições de 15 de Outubro próximo.

No último dia reservado as inscrições, apenas um partido, cuja designação não conseguimos apurar, compareceu para formalizar a sua inscrição. Encerrado o processo, segue-se agora a fase da aprovação das candidaturas pela CNE, órgão que vai dar o deferimento final e verificar a situação dos mandatários.de modo a avançar com a apresentação das candidaturas.

Dos partidos já inscritos, a Frelimo, Renamo e o MDM, as três maiores formações políticas nacionais, concorrem para todo o país. Os restantes concorrentes, ainda não se conhecem, publicamente, as zonas para onde vão concorrer.

Refira-se que, por se tratar de eleições gerais, os partidos que forem apurados para participar, deverão beneficiar de um pacote financeiro para apoiar a sua participação.

Num ano em que o défice orçamental é a característica do país, prevalecem as dúvidas sobre de onde virá o apoio. Enquanto isso, para a candidatura ao cargo de Presidente da República, as candidaturas só encerram no dia 15 de Julho.

O País