Um homem de 48 anos é acusado de violar sexualmente seus dois filhos, um rapaz e uma rapariga, e infectá-los com HVI-SIDA.

O acusado está detido na décima quinta esquadra de polícia na cidade de Maputo.

Um homem que segundo familiares não tem sentimentos, e é psicopata.

As violações terão começado em Inharrime quando a menina tinha apenas 8 anos e o rapaz 6. Mas o indiciado nega todas as acusações.

Já a rapariga conta a sua versão dos factos. Diz que o pai a violou sexualmente por 3 anos, ou seja dos 9 aos 12 anos, até escapar com a tia que a levou para Maputo.

O irmão, segundo a rapariga, teve o mesmo destino e até agora é feito de uma espécie de “esposa” de seu pai num outro distrito de Inhambane. O seu desejo é que seja resgatado o mais rápido possível.

A polícia diz que a prisão do acusado foi legalizada, e que neste momento o processo vai seguir os seus trâmites legais.

A inocência da menina Carla, nome fictício que usamos para proteger a sua imagem, foi resgatada pela associação Hixikanwe, uma casa que trabalha sobretudo com mulheres, raparigas e crianças com HIV-SIDA. A Associação distribui gratuitamente medicamentos e incentiva os doentes a não desistirem do tratamento do HIV-SIDA.

Na instituição são atendidas mulheres e raparigas, que não escondem o seu estado fisiológico. Com cânticos, dizem não a estigmatização contra seropositivos e alegres cantam com frascos contendo comprimidos que inibem a evolução do vírus HIV, os chamados antirretrovirais.

O País