Helena Taipo está detida. A ex-embaixadora de Moçambique em Angola foi detida na tarde de ontem após uma audição no Gabinete Central de Combate à Corrupção (GCCC).

Passavam poucos minutos depois das 15 horas quando a viatura do Serviço Nacional de Investigação Criminal que transportava Helena Taipo saiu à alta velocidade do Gabinete Central de Combate à Corrupção para a 18ª Esquadra da PRM.

A ex-embaixadora de Moçambique em Angola foi detida depois de ter sido ouvida no GCCC, onde chegou às 14H30 numa viatura particular acompanhada pelo filho e pelo advogado Inácio Matsinhe. Trinta minutos depois, a Nissan Navara saía do Gabinete Central de Combate à Corrupção, sem a antiga ministra do Trabalho. O País tentou uma entrevista com o advogado, mas este não estava para declarações à imprensa.

A detenção de Helena Taipo acontece 20 dias depois da sua exoneração do cargo de embaixadora extraordinária e plenipotenciária de Moçambique em Angola. Uma decisão do Presidente da República que permitiu a realização de várias diligências, incluindo a prisão preventiva, no âmbito do processo em que a antiga governante é acusada de ter recebido 100 milhões de meticais do Instituto Nacional de Segurança Social.

Helena Taipo terá recebido o valor em 2014, último dos 10 anos em que esteve a dirigir o Ministério do Trabalho. Em 2015, foi exonerada das funções de ministra do Trabalho e nomeada governadora de Sofala, cargo que ocupou até Julho de 2018, quando foi indicada para liderar a diplomacia moçambicana em Luanda.

Na capital da Angola, Helena Taipo ficou oito meses e teve de voltar a Maputo para responder por crimes de corrupção, num processo que envolve mais cinco arguidos.

O País