Um cidadão está a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM), no distrito de Nicoadala, província da Zambézia, acusado de anunciar a venda do próprio filho, pela quantia de 10 mil meticais.

O comprador era supostamente um homem residente na cidade da Beira, em Sofala, segundo Sidner Lonzo, porta-voz do Comando Provincial da PRM, naquele ponto do país.

Para lograr os seus intentos, o indiciado alegou que o miúdo faria uma viagem àquela urbe com a finalidade de estudar.

O caso, classificado como tráfico humano, chegou aos ouvidos da Polícia através de uma denúncia feita pelo presumível comprador, que, em sua defesa, contou que fora contactado pelo pai do menor porque precisava de dinheiro.

O homem negou ter tentado vender o filho, mas o @Verdade apurou que o dinheiro seria para pagar algumas dívidas e comprar comida.

Em declarações às autoridades policiais, a criança confirmou que quando o seu progenitor informou que ele devia viajar na companhia de uma pessoa que não conhecia achou que era para estudar.

Informações ainda a nosso poder dão conta de que, desde o ano passado, o indivíduo ensaiava a venda do filho à revelia da mulher e de toda a família.

@Verdade