Um homem morreu atingido por uma árvore na região de Panhandle, no estado da Florida, Estados Unidos da América, quando o furacão Michael atravessou a zona, causando elevados danos.

A porta-voz do xerife de Gadsden County, Anglie Hightower, afirmou que receberam uma chamada a avisar que uma árvore caiu sobre uma habitação com um homem no interior, tendo aquele ficado preso.

As autoridades tentaram deslocar-se para o local, mas, segundo a responsável, tiveram muitas dificuldades devido às linhas de electricidade caídas no chão e às estradas bloqueadas por destroços.

Segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, o olho do furacão Michael já passou a região de Panhandle, no estado da Florida, e estava a caminho da Geórgia como um perigoso furacão de categoria 3, o mais forte a atingir esta parte do estado desde que existem registos.

Entretanto, o furacão baixou para categoria 2, com ventos de 160 quilómetros por hora, a mover-se em direcção a noroeste a uma velocidade de 21 quilómetros por hora.

Segundo o centro, com sede em Miami, à medida que se desloca para o interior, o furacão continuará a produzir ventos fortes no estado da Geórgia.

O furacão Michael causou elevados danos na Cidade do Panamá, com árvores caídas e linhas de energia derrubadas quase por todo o lado.

Telhados foram arrancados e casas foram destruídas por árvores que caíram.

O governador da Florida, Rick Scott, anunciou que as equipas de busca e salvamento já estavam a caminho das zonas mais afectadas do estado, para ajudar as pessoas afectadas pelo furacão.

Rick Scott apelou para que as pessoas deixem as estradas abertas, para que as organizações de socorro possam circular, referindo que inundações e tornados ainda podem ocorrer.

“Ouvi relatos de pelo menos dois tornados na Florida”, disse, acrescentando que existem cerca de 192 mil casas e empresas sem electricidade.

O furacão Michael chegou a terra na tarde de quarta-feira, no estado da Florida, com a categoria 4, mas perto de entrar na seguinte e mais elevada categoria da escala.

A chegada ocorreu perto da Praia do México, acompanhada de chuvas abundantes e ventos fortes, com uma velocidade de 250 quilómetros por hora.

Os meteorologistas consideram que o furacão chega a terra quando o centro do seu olho a atinge. A força dos ventos do furacão faz-se sentir num raio de 75 quilómetros a partir do seu centro.

JN